O Despertar com Coronel Kurtz

Conto originalmente publicado no blog Monólito Acordei ofegante e aliviado, felizmente todo o horror, tudo o que era estranho e sem sentido não passava de um grupo de sonhos infelizes. Atrapalhado ainda com sentimentos e sensações físicas repercutia ainda em meus ouvidos, como um despertador, a voz de Marlon Brando em Apocalypse Now: “o horror, o […]

Leia mais O Despertar com Coronel Kurtz

Para minha Mãe

Para Nanci Moretti Pastorelli Tivemos dias de festa junto com dias ruins, noticias ruins antes do bolo. Lembra aquele almoço, simples mas gostoso? Não poderemos voltar naquele lugar, fomos muito bem atendidos, a comida era boa sim, mas naquele instante precisávamos digerir outras coisas. Foi a primeira vez que ouvimos a frase: Não tem cura… […]

Leia mais Para minha Mãe

Vencido pela “dead line”

Publicado originalmente em MONÓLITO:
Detesto esses estrangeirismo baratos, mas aqui vai: Não cumpri com a dead line do job… Não vou colaborar nesse desafio, caros amigos e leitores (imaginários). Isso é um comunicado, desnecessário admito. Talvez um texto mais do que inútil e que demonstra o tamanho do meu ego, confesso… -O cara fez…

Leia mais Vencido pela “dead line”

Homem Jovem à sua Janela

A rua espiada,o parapeito usado num quase salto,num sobre-salto sobre as pretensõespossíveis do quarto.Atrás do Homem na Janela um poemaaguarda seu fim, alguém lá dentroretrata tudo o que é de fora,o que não pertence ao Homem,tudo o que é rua e paisagem.Atrás do Homem um corpo que acorda,agoniza ou não reclama mais a sua vida.Enquanto […]

Leia mais Homem Jovem à sua Janela

Tártaro

SIM!Acreditou que estava imuneàs boas ou más notícias.Mas na verdade não suspeitavae não suportaria a presença das tragédiasque espreitavam seus caminhos de lascívia.Com deslisura decretou que nem mesmoos próximos contentamentos lhe causariam maior euforia.Presunçosamente julgava-se intangívelpor qualquer sentimento.

Leia mais Tártaro

Amores de insetos, anfíbios e aracnídeos

Conto publicado no Monólito – Coletivo Literário, onde o tema era história de detetive e o desafio seria incluir na história uma aranha. Amores de insetos, anfíbios e aracnídeos Definitivamente Jamil Bandoleiro não era um bom detetive, era péssimo na realidade. Jamais tinha solucionado algum caso. Com dificuldade resolvia problemas menores como árvores genealógicas de famílias, […]

Leia mais Amores de insetos, anfíbios e aracnídeos